quarta-feira, maio 28, 2008

também me encontro vivo...


Aproveitando a onda de revelações iniciada pelo sempre esclarecido (dentro e fora de campo) cheguevara, queria aqui anunciar faz favor que relatos da minha morte foram exagerados e que portanto também eu estou na realidade vivo mesmo que de duvidosa saúde hepática (passe a redundância).

Mais a mais, já não debito fezes aqui para mais de um ciclo lunar o que é admitidamente um olívio para as cerca de duas pessoas que consultam este blog semanalmente à procura da mais recente ode a uma femme frágile de cabelo louro e olhos azuis (possivelmente tenista). Hoje, porém, tenciono me redimir, intercalando da pior maneira que puder a enjoativa aura de sweetness (não encontro tradução semanticamente digna) que paira num raio de 1 metro de volta do meu monitor cada vez que faço o scroll para um post do Pat (n1 fofo) e que me encegueira a masculinidade (não tens culpa, é de mim).

Ora, tendo em conta que, dada a minha ausência (ex)forçada, vários temas da actualidade passaram incólumes à minha acutilante clarividência crítica, compensarei quem teve a paciência de chegar a este parágrafo com uma análise séria e rigorosa à primeira notícia que vir no website do Público (à 1:24 da manhã do dia 28 de Maio).

Após consulta à edição electrónica do supracitado matutino/vespertino (dependendo da sua timezone - já me informaram de que temos visitantes intercontinentais) denoto que a temática principal de discussão concentra-se na alegada (eles sabem do que tou a falar) crise alimentíció-alimentar e o bloqueio do governo relativamente à racionalização de arroz nos supermercados LIDL. Obviamente é um tema quente da actualidade e sobre o qual me debruço sem o menor esforço porque (expressão inexplicável n1) tenho pano pra mangas (ou não):

"Tendo lido o artigo do Público segundo o método socrático versão 7.1 e depois de extenuantes 3 segundos de raciocínio a minha opinião é: não concordo porque acho que todos deviamos ter direito à comida que quisermos sendo isto um estado democrático de direito livre (expressão inexplicável n2) e sugiro um boicote categórico ao LIDL (querem nos tirar a comida), à GALP (depois de esgotarem o crude vao ao LIDL Xabregas comprar o arroz todo pra transformar em biocombustível - foi um primo meu que trabalha na BP da 2ª circular que me adiantou), ao Alvaláxia XXI (fonte de receita do Sporting) e ao Lux (decoração duvidosa) como forma de demonstrar a nossa indignação. Todos juntos podemos paralis(z)ar Portugal e assim mudar o mundo e mostrar aos poderes instituídos que o povo ainda não perdeu a sua voz e ainda tem uma palavra a dizer, não estando calado. Nem tão pouco silencioso. Nem a dormir e mesmo que alguns estejam outros como nós servem de farol. Mas um farol que fala e opina. Sei que não existe mas considere-se uma analogia metafórica ou se quiserem ir mais longe todo este texto é uma alegoria, descubram a quê... Portanto só para rematar à John Terry, o governo de Sócrates não só teve bem como tomou a decisão correcta, permitindo que os seres humanos a habitar em território nacional pudessem ter acesso ao arroz em geral e à variedade basmati em particular, até porque esta variedade, pela sua consistência nutricional e exotismo superlativo dentro do reino dos arrozes, constitui produto alimentar de excelência (IST) para a ingestão por parte de seres vivos, incluíndo animais domésticos de pequeno porte (i.e. trilobites ou mesmo o Liedson). Note-se, a propósito, como depois desta decisão do governo a frase "Liedson resolve (expressão inexplicável n3) mamar um quilo de arroz basmati LIDL." continua, em termos lógicos, a ser válida, dado que é um acontecimento cuja probabilidade de ocorrência é não nula (e inferior ou igual a 1), mesmo que sujeito à vontade dele e talvez à ausência do Ricardo Rocha - que pode voltar ao glorioso, pelo que consta nos extraordinariamente fidedignos tabloides britânicos (tava a ser sarcástico como o Fyodor D para uns, irónico como o processo apito dourado para outros - menos espero))))))))))))))))) - só pro caso de me ter esquecido de fechar um ou outro parêntese durante o texto."

4 comentários:

Pedro Gomes disse...

Puto continua a opinar acerca de tudo e mais alguma coisa, e terás um leitor assíduo deste lado!!

Liedson a mamar arroz basmati...AHAHAHAHAHAHAHAHA priceless!!

DK AO PODER!!!

Cheguevara disse...

O meu mt obrigado plos elogios.

Não percebo o alarido do murta em relação á piada sobre o Liedson.
Priceless?!?!!? Ridiculo...

Mais uma vez um grande post!!!

hugo patricio disse...

Protesto nº1 - em relação à ridicularização de doenças hepáticas.

Protesto nº2 - à limitação do grupo que constitui a minha esfera de preferências. Toda gente sabe que os olhos podem não ser azuis, podem de facto ser verdes. Bem como à errada presunção da maioria estatística das tenistas. são efectivamente uma minoria de força, um Bloco de Esquerda do meu coração se preferirem.

Protesto nº3 - Erro sucessivo de intrepretação: As femmes não são frágeis, muito pelo contrário.

Protesto nº4- Lamento o efeito secundário sobre a tua masculinidade, mas é tudo a pensar em vocês. Quero os vossos padrõezinho cá para cima para não calharem com alguma que gere com vocês offsprings dignas de figurar num qualquer filme dos gremlins, criaturas versão salpicada com H20 as outras são fofas.

Protesto nº5 - Isto não é só visitado por 2 pessoas semanalmente, há também um polaco que vem aqui parar todos os meses através da pesquisa no google por "Drunk Life", mas nunca fica para o chá.


De resto, porreiro pá, venham mais destes que a malta gosta.

DK disse...

excitas-me tanto pat