quinta-feira, novembro 24, 2011

Das mulheres perigosas - Das Evas que foderam o Paraíso - A Eva Green

Eu há caras que desconfio.

 Há aqueles olhares demasiado confiantes. Aqueles que dominam a totalidade do espaço que visualizam e talvez um pouco mais.

 As que fazem do leve entreabrir dos lábios uma arma de ficção científica, armas daquelas que param o tempo.

As Evas que sabem que querem a maçã, que já sabem como apanhá-la e já simularam até o seu sabor nas diabólicas papilas.

 Ainda assim a maçã nada sabe, nem o mundo nem o Deus do Mundo nem o Deus do Deus.

 Só a Eva.

 Adequada distância destas criaturas é o que desejo, senão para o óbvio.

 Que o óbvio só deixa as marcas temporárias que o bom óbvio deixa.


4 comentários:

omikinho disse...

¿A qué é que te estás a referir quando falas do "obvio"?
¿Às punhetas? xD

hugo patricio disse...

Lol, não. Mais interactivo. Sexo mesmo.

omikinho disse...

O sexo move montanhas.
E a falta del também...

hugo patricio disse...

True